quarta-feira, 29 de junho de 2011

Bolo gulodice

É gulosa/o ?

Cá  em casa, quando uma  iguaria /manjar  desperta em nós o pecado da gula, dizemos que  essa iguaria /manjar  é  gulosa ou guloso.
Mas, na verdade, os gulosos somos nós! 
Realmente, é preciso ser-se um bocado gulosa/o,  para apreciar este bolo que reune todos os atributos que fazem dele uma grande gulodice.


Bolo

Nota: Para fazer este bolo usei duas formas de aro amovível, com uma pequena diferença de tamanho, mas pode usar uma forma normal e montar o bolo usando pelicula aderente.

Unte a forma maior e cubra o fundo  com papel vegetal.

Faça a  receita que  aqui apresentei e deite na forma já preparada.

Depois de frio corte o bolo ao meio.


Recheio

Ingredientes

200 ml de natas light
1 pacotinho de espessante para chantilly
4 iogurtes naturais, de 125 g cada
5 colheres de sopa de açúcar fino
1 pacote de gelatina  usei sabor tutti-frutti

Preparação

Bata as natas, bem frias, com 1 colher de sopa de açúcar e com o  espessante.

Junte os iogurtes e o restante açúcar.

Faça a gelatina seguindo as instruções da embalagem, mas apenas com a água quente.

Deixe arrefecer a gelatina e misture ao preparado anterior.

Montagem

Se usar formas de fundo amovível use agora a mais pequena, cubra o fundo com papel vegetal e coloque uma das metades do bolo.

Deite o recheio sobre o bolo, cubra a forma com película aderente e leve a  refrigerar por algumas horas ou de um dia para o outro.

Cubra depois com a outra metade do bolo, que pode barrar com uma compota a gosto usei compota de morango.

Faça a cobertura de chocolate  aqui indicada.

Deite a cobertura só sobre a parte superior, sem cobrir o recheio.

Enfeite com frutos frescos.




SUCESSO E BOM APETITE! 

domingo, 26 de junho de 2011

Torta de bacalhau

 Prova superada


Num dos meus caderninhos de receitas, tenho a receita da Torta de bacalhau da D. Lucilia, a minha professora da primária.
A torta,  que tinha fama de ser muito boa, e que era realmente saborosa,  nunca me saía lá muito bem.
E, porque os olhos também comem, queria surpreender a minha família: fazer uma torta que, além de boa,  fosse  bonita. 
Esta torta que  vos apresento, foi inspirada na receita original e numa outra que  encontrei  aqui  .

Desta vez acertei! E até  eu fiquei surpreendida com o resultado.
 

Ingredientes

400 g de bacalhau demolhado
5 ovos
120 g de farinha de tigo
4 dl de leite
2 dl de azeite
2 cebolas de tamanho médio
4 dentes de alho
1 folha de louro
salsa
pimenta
noz moscada
1 pitada de sal
1 pitada de açúcar  facultativo

Preparação

Coza as postas de bacalhau.

Refogue as cebolas, com os alhos e o louro, em azeite, mas sem alourar.

Junte as postas de  bacalhau, limpas de peles e espinhas e bem  desfeitas.

Numa tigela, deite o preparado anterior, misture as gemas, junte a farinha peneirada, o leite, a salsa, a pimenta, a noz moscada e o açúcar..

Bata as claras em castelo, com o sal, e envolva-as no preparado anterior.

Forre um tabuleiro com papel vegetal anti-aderente, deite a massa lá dentro e leve ao forno, pré-aquecido, a 180º.C durante 20 mn ou até  a torta estar cozida.

untei o tabuleiro e o papel com margarina

Desenforme sobre um pano húmido coberto com papel vegetal.

Recheie com maionese e enrole   (pode usar também pickles finamente cortados ) .

Escaldei um pouco as mãos, e a torta parece que ia abrir, mas apertei bem e, como podem ver, ficou lisinha.

Deixe embrulhada no papel vegetal e no pano e leve  a refrigerar até à hora de servir.


Pode guarnecer com cenoura raspada e enfeitar com azeitonas (sugestão da receita original).


A minha ficou tão bonita que dispensou qualquer adereço.

Nota: No tempo frio pode  rechear com molho bechamel e servir quente.
         

Acompanhei com salada, maionese e pickles, que a receita sugeria também como recheio.

SUCESSO E BOM APETITE!

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Doce de laranja

"O meu frigorífico é um cavalo !"

Era com esta frase,  que a outra avó dos meus sobrinhos elogiava  o seu velho frigorífico, pela potência do seu motor.
Rapidamente,  aquela máquina,  refrigerava qualquer alimento e fabricava gelo.
Com a idade,  o meu frigorífico está  a ficar quase tão potente como o da D. Sara.

As  cascas de laranja, que continuo a guardar para fazer os meus doces, ficaram assim...
... presas no gelo 


Laranja, laranjinha

Para fazer este doce quis variar, usei o mesmo peso de cascas de laranja e de açúcar amarelo ( em vez de açúcar branco).



Juntei algumas amêndoas, para dar um toque diferente.

A cor não é tão bonita, mas ficou igualmente bom.

Este doce é mais  espesso.  

SUCESSO E BOM APETITE!

              

terça-feira, 21 de junho de 2011

Um bolo divertido

Celebremos o verão !

Adoro o verão, o calor, a praia...
Durante muitos anos, fiz campismo com a minha família, no algarve. Que saudades!
Estávamos sempre em festa.
No verão, festejamos muitos aniversários. 
Com a ajuda dos miúdos, faziamos  os nossos bolinhos ao lume.
Para celebrar esta estação, fiz este bolo que me transporta para aqueles dias felizes.


Já apresentei esta receita em  tronco de natal, só que este bolo foi cozido ao lume numa forma especial.
Aqui pode ler alguns conselhos sobre a sua utilização.




Forma para cozer bolos ao lume
    



Base de ferro
  
  

A forma encaixa na base de ferro 

 
  
Ingredientes

4 ovos
1 chávena de açúcar
1 chávena de farinha de trigo
raspa da casca de limão
1 pitada de sal
manteiga ou margarina para untar a forma 
não usei água

Preparação

Barre a forma com manteiga ou margarina e polvilhe com farinha.

Bata as claras em castelo com uma pitada de sal.

Adicione o açúcar e continue a bater.

Junte  as gemas, uma a uma, batendo entre cada adição.

Junte a raspa de limão.

Peneire a farinha e envolva-a, delicadamente,  na massa.

Deite na forma e siga as instrucões indicadas em utilização.

Cobertura

Creme de chocolate, côco seco e mistura de frutos secos e frutas cristalizadas. 
Como o bolo cresceu, e pegou um pouco na tampa, improvisei esta decoração divertida

SUCESSO E BOM APETITE!

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Pudim cremoso de côco

O prazer das coisas simples

Passei o sábado fora, num passeio que dei ao Buçaco e ao Luso,  com as minhas colegas e amigas, no nosso encontro anual.

Tive, pois, que me organizar para deixar tudo preparado para o  almoço de domingo, daí a escolha deste pudim para  sobremesa.

É uma receita  de fácil e rápida preparação que, apesar de simples, agradou a todos.



Ingredientes

1 lata de leite condensado
ovos    a mesma medida da lata
200 ml de creme de côco
50 ml de leite
côco seco ralado   metade do volume da lata
caramelo líquido

Nota: Usar como medida a lata de leite condensado

Preparação

Aqueça o forno à temperatura de 180º. C.

Barre a forma com o caramelo líquido e reserve.

Bata todos os ingredientes e verta na forma.

Coloque a forma  num tabuleiro alto e encha com água até metade da altura.

Leve ao forno até o pudim estar cozido.

Retire a forma do tabuleiro e deixe arrefecer.

 Depois de frio cubra o pudim com película aderente.

 Guarde- o  no frigorífico até à hora de servir.

Para desenformar passe uma faca em volta do pudim

Nota: Usei uma forma retangular de pyrex.
Podemos ver as duas texturas: uma mais firme, com o côco, e a outra cremosa, coberta de caramelo

SUCESSO E BOM APETITE!

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Charlotte especial

Doce sucesso

Em junho de 1993, participei num concurso com esta receita. Não ganhei nem uma menção honrosa, mas acho que fui bem sucedida. Tempos depois, encontrei, numa publicação culinária da  marca que promovera o concurso,  um doce inpirado na  minha receita.

 

Ingredientes

1 embalagem de palitos La Reine

Chantilly:

200 ml de natas
2 ou 3 colheres de açúcar em pó
espessante para chantilly  facultativo

1 ou 2 pacotes de gelatina de sabor à escolha

Creme pasteleiro:

4 ovos
175 grs de açúcar
1 colher de sopa de manteiga
2 colheres de amido de milho
5 dl de leite
baunilha (ou casca de  limão)

Fruta fresca ou de conserva

Preparação

Gelatina: 

Prepare a gelatina de acordo com as instruçõs da embalagem, mas com um pouco menos de água para ficar mais firme.
Faça a gelatina  com antecedência para estar pronta na altura de montar o doce.
Deite-a  num recipiente baixo para, depois de picada,  obter pequenos cubos.




Chantilly:

Bata  as natas, que devem estar bem frias, junte o  açúcar e o espessante, se necessário.


Creme pasteleiro:

Coloque num tacho os ovos inteiros, a farinha, o açúcar e a manteiga.
Misture todos os ingredientes.
Leve o leite ao lume a ferver com a baunilha ou com o limão e junte-o ao preparado anterior.
Leve de novo ao lume, mexendo sempre e deixe o creme engrossar sem deixar ferver.   


Montagem


Tape o fundo de um tabuleiro de pirex com  os palitos.


Deite o creme, ainda quente, sobre os palitos.


Coloque por cima os cubinhos de gelatina, de um ou dois sabores.


Cubra com o chantilly e decore com os restantes cubos de gelatina e fruta a gosto.


Leve ao frigorífico até à hora de servir. 


Esta  Charlotte foi feita com gelatina de tutti frutti e de maracujá

Esta foi feita só com gelatina de morangos 
SUCESSO E BOM APETITE

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Lasanha de bacalhau

Fãs do fiel amigo

Cá em casa, os pratos de bacalhau são sempre muito apreciados. Esta lasanha, feita com um bom bacalhau, pode não ter ficado muito bem na fotografia, mas, na opinião da minha família, estava deliciosa.


Ingredientes

3 / 4 postas de bacalhau
8 / 12 placas de lasanha verde
2 cebolas
2 dentes de alho
1 dl de azeite
200 ml de natas magras
1 chávena da água de cozer o bacalhau
200 ml + 500 ml de molho bechamel
pimenta
noz moscada
1 folha de louro
2 fatias de fiambre
queijo ralado 

Nota:   A quantidade de postas depende do seu tamanho.
               O número de placas de lasanha, para não ficarem sobrepostas, depende do tamanho do tabuleiro  

Preparação

Coza  o bacalhau e reserve a água da cozedura. Prove a água para verificar se está muito salgada

Limpe as postas de peles e espinhas.  Desfaça-as em pequenas lascas.

Num tacho, deite  o azeite, a folha de louro, as cebolas e os alhos alhos picados.  Deixe as cebolas amolecerem.

Junte as lascas de bacalhau para  tomarem o sabor do azeite.

Acrescente, as natas, o  molho béchamel ( 200ml ) e os temperos.  

Numa taça misture a água de cozer o bacalhau (se estiver muito salgada reduza a quantidade indicada e junte água simples) com o  restante molho bechamel e tempere com pimenta e noz moscada.
 
Montagem

Unte um tabuleiro com manteiga.

1 - Deite um pouco do recheio guarnecido com pedacinhos de fiambre,

2 -  Sobre o qual se põem 3/4  placas de lasanha.

3 -  Em seguida, um pouco de molho.  

Repita estas camadas terminando  com  placas de lasanha.

Sobre a última camada deite o restante molho e polvilhe com o queijo ralado.

Leve ao forno pré-aquecido, à temperatura de 180 º. C , cerca de 50 mn

Tape com papel de alumínio nos primeiros 20 minutos.



SUCESSO E BOM APETITE!

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Tarte de ananás

 Ananás aos pedaços

Numa das minhas andanças  pelos supermercados, em busca de produtos que me inspirem  na preparação de  sobremesas, encontrei a receita deste pudim no rótulo de uma lata de polpa de ananás Koala.
Fiz com ele uma tarte, mas simples seria também muito bom.


Base

Ingredientes

1 pacote de bolachas Maria
125 g de manteiga
1 dl de calda de açúcar

Preparação

Esmague as bolachas, misture com a manteiga amolecida e com a calda de açúcar.

Nota: Para reduzir na quantidade de manteiga fiz uma calda ligeira com  2 colheres de sopa de açúcar.  

Pudim

Ingredientes

1 lata de polpa de ananás
4  dl de natas
6 colheres de sopa de açúcar
2 pacotes de gelatina de ananás em pó

Preparação

Dissolva a gelatina em 2,5 dl de água quente e deixe arrefecer.

Numa taça misture e bata a polpa, as natas, o açúcar e a gelatina.

Montagem

Unte com manteiga ou margarina uma forma de aro amovível. Também costumo forrar o fundo  com papel vegetal

Cubra o fundo da forma com a massa de bolachas.

Deite o pudim e leve ao frigorífico cerca de 24 h.

Na hora de servir decore a gosto.



A polpa de ananás tem pedacinhos que dão ao  pudim uma textura muito agradável.

SUCESSO E BOM APETITE!

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Amor com amor se paga - O meu bolo especial

Amor com amor se paga  -  O meu bolo especial

Participar no desafio  lançado  pela minha querida  Ana é um prazer, mas escolher um bolo como sendo o meu  bolo especial  não é fácil.
Numa família onde as datas importantes  são  todas aquelas que a vida e  o calendário marca,  mais aquelas que nós inventamos como pretexto para fazer uma festa, a lista dos bolos especiais não tem fim.
Os bolos que fiz para os aniversários dos meus sobrinhos quando eles eram crianças foram, sem dúvida, todos especiais, assim como são agora, também muito especiais,  aqueles  que eles fazem para me mimar  e surpreender.
Portanto, por razões óbvias, não posso eleger nenhum destes bolos como o meu bolo especial.
Mas sem bolo não há participação e, mesmo sendo da família, tenho que respeitar as regras.
E se pensasse nos bolos especiais da minha vida, mas fora do contexto familiar?  
Veio logo à minha memória o bolo que  a minha querida aluna Samanta me ofereceu quando fiz quarenta anos.  Já não me lembro como é que ela descobriu quando era  o meu aniversário, mas à medida que a data se aproximava passou a andar atrás de mim a perguntar quantos  anos eu iria fazer, ao que eu lhe respondia, para a arreliar: Faço um ano a mais que o ano passado.
Ela ria-se e continuava a insistir. Salvou-a a  minha sobrinha,  na altura a estagiar na escola, e que  também colaborou na preparação da surpresa.
A visita inesperada do inspetor, precisamente naquela manhã, veio atrapalhar os planos da Samanta. O senhor nunca mais se ia embora e ela e os  colegas impacientes, e  cada vez mais nervosos, a verem a manhã chegar ao fim.
E eu sem desconfiar de nada...
Para descanso da turma o inspetor acabou por se ir embora a tempo de fazermos a festa.  

Infelizmenten, não tenho nenhuma foto do bolo nem da festa, mas guardo desse dia a alegria desta menina maravilhosa  quando, finalmente, conseguiu realizar a surpresa e todos me cantaram os parabéns.
Samanta a triturar o papel para fazer a pasta 
Samanta, de origem guineense, vinda de França,  chegou à turma do 2º. ano sem saber ler nem escrever e, em pouco tempo, conseguiu acompanhar os  outros meninos. Nunca, até então, eu  tivera uma aluna assim  tão responsável e aplicada. Ajudá-la a progredir foi muito gratificante. 
Era impossível  zangar-me com ela,  porque ela respondia sempre com um sorriso rasgado.
Recordo, com muito carinho, esses anos em que ela nos conquistou  a todos.

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Rolinhos havaianos

Vamos lá variar


Sempre ouvi a minha mãe dizer que até gostava de cozinhar para a família, o pior era decidir todos os dias o que iria fazer.  
Nestes almoços de domingo, a principal regra que procuro respeitar é  alternar entre os pratos de carne e os de peixe.
Depois de satisfazer alguns pedidos de pratos tradicionais,   tento  estrear novas receitas e criar as minhas próprias. 


Numa passagem de olhos por um livro de uma coleção que me ofereceram, O Mundo da Cozinha, encontrei estes Rolinhos havaianos cuja receita  passo a transcrever indicando as  alterações que fiz.

Ingredientes
8 bifes de vitela (alcatra) com 80 g cada    usei  bifes  para fazer as francesinhas que pesavam um pouco mais
8 fatias de salmão fumado 
1 alface francesa       usei espinafres congelados 
4 alhos porros          usei  1 cebola e 1 dente de alho
1 chávena de molho bechamel    usei  2  colheres de sopa
1/2 copo de azeite
1 colherzinha de gengibre em pó    não usei
1 colher de sopa de vinagre
1 lata de 200 g de ananás em calda
sal
pimenta


Preparação

1- Bata os bifes com o martelo.   não bati 

2- Coloque sobre cada um uma fatia de salmão e uma folha de alface bem lavada.  não usei a alface

3- Pique finamente a parte branca dos alhos porros e  misture este picado com o molho bechamel.       não usei esta mistura

4- Coloque também uma colher de sopa sobre cada folha de alface.  não coloquei

Nota: Alourei a  cebola e o alho picados em uma colher de sopa de azeite, juntei os espinafres e deixei cozinhar. Adicionei   o molho bechamel e coloquei este preparado sobre o salmão.

5- Enrole os bifes sobre si próprios.

6- Amarre os rolinhos com fio branco.

Como o recheio de espinafres era mais líquido cozi as extremidades dos rolinhos usando mesmo uma agulha.

7- Coloque-os num tacho juntamente com o azeite e o gengibre em pó.  não usei gengibre  

8- Em seguida, aloure-os bem de cada lado.

9- Regue-os com uma colher de sopa de vinagre e deixe que esta se evapore.

10- Tempere então os rolinhos com sal e pimenta, deixando-os cozinharem lume brando durante 30 minutos, com o recipiente tapado.

11- Entretanto escorra o ananás e corte-o em pedacinhos; junte-os aos rolinhos quando estes estiverem quase prontos.

12- Deixe ao lume durante mais alguns minutos e sirva bem quente. 

Retirei as linhas com que cozi os bifinhos antes de servir, mas  algumas não quiseram sair... cuidado para não se engasgarem

  
    Acompanhei com puré de batata.

SUCESSO E BOM APETITE!

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Pudim de morangos

Morangos com muito ou pouco açúcar?

Este fim de semana, estive a  fazer o tradicional doce de morangos e achei que, depois de tanta doçura, para equilibrar a balança, uma sobremesa menos calórica e mais fresca seria o ideal. 



Ingredientes

400 g de morangos
500 g de queijo fresco batido  0 % de matéria gorda
5 colheres de sopa de açúcar branco
1 pacote de gelatina de morango

Preparação

Dissolva a gelatina em 2 dl de água quente e deixe arrefecer.

Reduza os morangos a puré.

Passe os morangos por um passador de rede fina para reter as grainhas.

Numa taça misture e bata os morangos, o queijo, o açúcar e a gelatina.

Unte uma forma com óleo e retire o excesso com papel de cozinha.

Verta a mistura  para a forma e leve ao frigorífico por 24 horas.

Desenforme e enfeite a gosto. 

Nota: Se preferir um pudim mais doce, pode usar natas em vez do queijo  que é mais ácido.
 SUCESSO E BOM APETITE!